Poesia

Juízo Final

1263235043694_133

(…) Mas o que tinha recebido um talento saiu, cavou um buraco no chão e escondeu o dinheiro do seu senhor. Por fim veio o que tinha recebido um talento e disse: ‘Eu sabia que o senhor é um homem severo, que colhe onde não plantou e junta onde não semeou. Por isso, tive medo, saí e escondi o seu talento no chão. Veja, aqui está o que lhe pertence’. O senhor respondeu: ‘Servo mau e negligente!'” (…) [Mateus 25.24-26]

Quando o derradeiro dia chegar
Apenas desejo a oportunidade dizer
Que fiz o melhor que pude

Fui o mais intenso que consegui
À medida do que tive acesso, me permiti:

Não deixei de experimentar
Mas dosei os exageros
Compartilhei com os que chegaram
Mas não dispensei a solidão.

Recomecei quando entendi necessário
Desperdicei quando a ocasião permitiu

Acertei, errei, gastei, guardei,
Venci, perdi, arrependi, desisti
Usei o máximo de possibilidades…

Naquele momento, então
Àquele que inventou tudo isso
Devolverei, vazio, o ser,
Suplicando, se possível for,
Que o encha novamente de VIDA
Para eu poder fazer tudo outra vez.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s